Eu acredito muito mais no covarde e enrustido da crítica do que no confete hipócrita do elogio mecânico!