resta esse constante esforco

Resta esse constante esforço para caminhar dentro do labirinto. Esse eterno levantar-se depois de cada queda. Essa busca de equilíbrio no fio da navalha. Essa terrível coragem diante do grande medo, e esse medo infantil de ter pequenas coragens. (Vinicius de Moraes)



Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.