SONETO DE 27 DE FEVEREIRO

Dia e mês que levo os anos
Nas costas, cada vez maior
Nos sonhos hão-se
No afã do fado, gentil suor

Levo com cuidado esta data
único e poético itinerário
Afinal não é ouro nem prata
Mas é especial no calendário

Nunca posso dar um até mais
Pois, veloz já é naturalmente
Nas ilusões deixadas no cais

E busco ter posposto pendente
Ser mais velho, são anuais
Ser feliz, é ter a vida de presente…

Luciano Spagnol
Poeta do cerrado
Cerrado goiano